13 setembro 2017 - 20:03

Queermuseu: Manuela D’Ávila registra boletim de ocorrência após ameaça em rede social

Usuário do Facebook afirmou que era hora de 'aproveitar' para 'matar a machadadas' a deputada

A deputada estadual Manuela d’Ávila, do PC do B, registrou ocorrência por ameaça de morte, na tarde de hoje, em Porto Alegre. Em meio à polêmica referente à exposição Queermuseu, fechada antes da hora pelo Santander Cultural, um usuário da rede social Facebook defendeu que era hora de “aproveitar” para “matar a machadadas” a parlamentar. Isso tudo em alusão a supostos crimes de pedofilia cometidos dentro do centro cultural, o que – na visão do internauta – abria premissa para mais ações criminosas no local.

Nas redes sociais, a deputada compartilhou a imagem do post e questionou: “vai me matar a machadadas, bandido? Vai me botar na fogueira também?”. A publicação gerou uma série de comentários na página do suspeito, mas até o momento não há confirmação sobre a autenticidade da página ou se o caso se trata de um chamado “fake”. O registro, no entanto, foi protocolado, e a Polícia Civil deve investigar o caso.

Entenda

A exposição Queermuseu foi fechada, no último domingo, 26 dias antes do previsto, após reclamações de usuários de parte das obras faziam suposta apologia à zoofilia, pedofilia e blasfêmia ao Cristianismo. O Ministério Público, através da procuradoria da Infância e Juventude, descartou crime de pedofilia, mas o Santander Cultural manteve o fechamento da mostra do mesmo modo. Na tarde de ontem, integrantes do Movimento Brasil Livro (MBL) se envolveram em confusão com manifestantes que faziam protesto pela manutenção da exposição, gerando intervenção da tropa de choque e o uso de bombas de gás e spray de pimenta.

Duas pessoas foram detidas – um jornalista e um morador de rua. O tema divide opiniões nas redes sociais e os defensores da mostra passaram a ser associados a partidos e movimentos de esquerda.

Fonte:Ananda Müller/Rádio Guaíba