body
17 fevereiro 2017 - 12:13

Obras do aeromóvel deixam trânsito complicado na Avenida Boqueirão, em Canoas

No mínimo, dois pontos ao longo do logradouro acontecerão os serviços

Serviços ocorrerão em, no mínimo, dois pontos da avenida. Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

Serviços ocorrerão em, no mínimo, dois pontos da avenida. Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

Motoristas que utilizam a Avenida Boqueirão, em Canoas, como rota diária, devem ter atenção e paciência redobradas nos próximos meses. É que as obras ligadas ao sistema do aeromóvel, de fato, começaram a tomar forma, e a presença de homens e máquinas pesadas na via está causando certa confusão (congestionamento) no trânsito. Os serviços acontecem em, pelo menos, dois pontos diferentes ao longo da Avenida, no sentido Centro-bairro.

A Prefeitura de Canoas esclarece que uma delas refere-se ao deslocamento da rede elétrica do eixo da pista para os passeios laterais e a outra trata da implantação de uma adutora fora do eixo central da pista, para onde está prevista a implantação do aeromóvel. O projeto prevê a passagem da via elevada pelo canteiro central da Boqueirão e da 17 de abril. São obras grandes, de infraestrutura.

De acordo com o Executivo, a previsão de término da realocação da rede elétrica é de 60 dias. Já a conclusão do serviço de execução da adutora é esperada somente para junho. As obras são realizadas por duas empresas privadas, contratadas pela prefeitura, cujos projetos foram aprovados pela Corsan e RGE Sul. A Prefeitura de Canoas ainda informa que há previsão de fazer um desvio no trânsito, mas ainda não há data definida para que isso ocorra.

O desvio deve acontecer a partir do cruzamento da Boqueirão com a Rua Liberdade, e ocorrerá no momento em que a obra avançar até aquele ponto. Isso depende das condições climáticas. A obra de execução de adutora de 600 mm e redes de distribuição de água iniciou, efetivamente, em janeiro deste ano. O valor do contrato é R$ 3.993.232,19. Já a realocação de rede de distribuição de média tensão, cabos aéreos, subterrâneos e da rede de iluminação pública se iniciou em abril do ano passado, cujo contrato é de R$ 5.767.110,86.

Fonte:Fernanda Bassôa/Correio do Povo