16 julho 2017 - 18:49

Melhora o quadro de Rogéria, internada no Rio

Ainda não há, entretanto, previsão de alta nem de quando a artista vai poder ir para o quarto

A atriz Rogéria, de 74 anos, apresentou hoje melhora no quadro de saúde. “A gente está surpreso com tudo que está acontecendo”, disse hoje o produtor e empresário da artista, Alexandro Haddad.

Internada na quinta-feira em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Clínica Pinheiro Machado, na zona Sul do Rio de Janeiro, Rogério teve infecção urinária precisou ser entubada na tarde do dia seguinte ao ser constatada uma pneumonia. Hoje, porém, ela amanheceu com visível melhora. Segundo Haddad, a atriz teve de ser contida pelos médicos porque queria tomar banho. Ao ver o produtor, ela também perguntou pela agenda de compromissos.

“Ela já está falando, está super bem, a infecção está baixando, a pneumonia também está controlada”, disse o empresário. Segundo ele, Rogéria permanece na UTI para uma reabilitação. O estado animou os médicos, que resolveram antecipar para hoje a alimentação normal, já sem sonda.

Ainda não há, entretanto, previsão de alta nem de quando a artista vai poder ir para o quarto. “É um passo a passo”, declarou o produtor. A medicação tirou Rogéria “da zona de risco”, completou. “Ela já está ficando a mil por hora.”

Segundo Haddad, Rogéria queixou-se de dores na coluna na madrugada de quinta-feira e foi medicada em casa, antes de dar entrada na clínica, horas depois, onde foi identificada a infecção urinária. Além de Haddad, o irmão de Rogéria, Flávio, dá assistência à artista no hospital. O empresário não alterou a agenda da artista por acreditar em uma recuperação rápida. “Ela está ficando ótima, já está dando até trabalho”, brincou.

Nascida Astolfo Barroso Pinto, Rogéria é a mais antiga transformista em atividade no Brasil. Ao lado de travestis pioneiras do país, como Jane di Castro, Divina Valéria, Camille K, Fujika de Halliday, Eloína dos Leopardos, Brigitte de Búzios e Marquesa, essa última falecida em 2015, Rogéria é homenageada pela atriz e diretora Leandra Leal no documentário Divinas Divas, premiado no Festival do Rio do ano passado. As atrizes faziam shows no Teatro Rival, na Cinelândia (centro da cidade), que pertence à família de Leandra Leal há várias gerações.

Fonte:Agência Brasil