07 dezembro 2017 - 14:37

Lojistas preveem aumento de 13,41% nas vendas do varejo gaúcho neste ano

Resultado é considerado positivo pela FCDL, mas insuficiente para a recuperação das perdas registradas nos últimos anos

A Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) projeta um aumento de 13,41% nas vendas do varejo no Estado, no comparativo com o ano passado. Esse é o primeiro resultado positivo do setor após três anos consecutivos de queda no comércio – somente em 2015 e 2016 o consumo gaúcho caiu 21,5%. O presidente da FCDL, Vitor Augusto Koch, definiu a elevação como surpreendente, mas afirmou que para ocorrer a recuperação das perdas registradas serão necessários mais cinco anos de resultados favoráveis.

“Esse crescimento é muito importante, mas é muito aquém do desejado porque nós perdemos muito desde 2013. E nós vamos precisar de mais cinco anos nesse ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para que a gente retome os patamares de 2013. Enquanto isso, países como, por exemplo, China e Índia cresceram 40%. Então, o Brasil todo empobreceu, as pessoas empobreceram, e nós precisamos de medidas mais céleres do governo federal, especialmente na diminuição de juros”, considera.

Para Koch, o resultado positivo de 2017 está relacionado a três fatores, que incluem a liberação das contas inativas do FGTS. O presidente da entidade salienta que o montante injetado na economia promoveu a recuperação do varejo gaúcho a partir do segundo trimestre, pois as pessoas conseguiram pagar dívidas antigas e também utilizaram o dinheiro para fazer compras. Além disso, a safra agrícola trouxe bons resultados e ocorreu a queda de juros, incentivando os investidores a consumir bens duráveis.

Em 2018, a entidade prevê em mais um ano de crescimento, caso não ocorra aumento de impostos. Koch sustenta ainda que é necessária a aprovação da reforma da Previdência e a realização de uma reforma tributária para a obtenção de resultados positivos na economia. Em âmbito estadual, a avaliação é de que o ICMS de fronteira e a substituição tributária inibem a circulação de mercadorias no Rio Grande do Sul.

Conforme a FCDL, o PIB gaúcho referente ao comércio cresceu 8,31% e há previsão de que o PIB gaúcho total aumente 0,45%. Já o PIB brasileiro deve encerrar o ano com crescimento de 0,86%.

Atualmente, 99.328 estabelecimentos estão em funcionamento no Rio Grande do Sul. O número de postos de trabalho no setor recuou até outubro, mas a contratação de profissionais temporários tende a levar o emprego do comércio varejista a fechar o ano com crescimento de 1,05%.

Fonte:Daiane Vivatti/Rádio Guaíba