07 novembro 2017 - 13:05

Livro da Queermuseu é retirado de bibliotecas no interior do Rio Grande do Sul

'Não vivemos no Estado Islâmico', critica diretor de Cultura de Uruguaiana sobre retirada de obra

Biblioteca Municipal de Uruguaiana

Biblioteca Municipal de Uruguaiana. Foto: Reprodução Google Street View

Um mês após ser retirado da Biblioteca Pública de Uruguaiana, município da Fronteira Oeste, o livro sobre a exposição “Queeermuseu – Cartografias da Diferença Arte Brasileira” ainda não voltou para o acervo da instituição. A obra foi retirada pelo vereador Eric Lins (DEM) na primeira semana de outubro e, segundo o diretor de Cultura da cidade, Ricardo Peró Job, o próprio parlamentar entrou no local, pegou o livro sem autorização e até hoje não devolveu o patrimônio da biblioteca.

“O livro estava para ser catalogado, em uma sala. O vereador entrou na biblioteca e foi direto para o local onde estava a obra, então, eu acho que alguém avisou ele. Ele assinou uma folha de retirada com um funcionário que não é da biblioteca e depois fez um vídeo”, relata Job.

O vereador Lins rebateu as afirmações, dizendo que o livro estava disponível em uma prateleira, sem indicação de idade e que a retirada do catálogo foi assinada, garantindo a legalidade da ação. Ele admite, entretanto, não ter devolvido a obra à biblioteca. “Depois, eu devolvi o livro diretamente na Prefeitura, como um representante da Câmara de Vereadores”, argumenta.

Na semana passada, o vereador entregou o livro no Gabinete do prefeito Ronnie Mello (PP), junto com uma moção – contrária à divulgação da obra – aprovada pelos vereadores. Conforme a assessoria da prefeitura, o livro foi encaminhado para a Procuradoria-Geral do Município fazer uma análise para definir ver se o livro poderá ou não integrar o acervo da biblioteca. Não há prazo para a decisão.

O vereador entende que o livro possui conteúdo impróprio, que não deve ser feito e disponibilizado com verba pública. “Isso, com certeza, não é uma obra, como chamam de obra, que mereça receber apoio do dinheiro público. Se a pessoa quiser fazer isso na sua casa, comprar em uma livraria… agora, a partir do momento que você subsidia esse tipo de coisa, com dinheiro público, porque a biblioteca é pública e os funcionários também, deixa de ser algo digno”, argumenta Lins.

“Não vivemos no Estado Islâmico”, diz diretor de Cultura

O diretor de Cultura de Uruguaiana, no entanto, defende que o livro volte para o espaço. “Sinceramente, eu sou a favor da volta desse livro para a Biblioteca Municipal nessas condições: que ele fique em uma estante, fora do alcance de crianças. Acho que nós não vivemos sob a bandeira do Estado Islâmico, nós também não somos censores e o livro existe para quem gosta desse tipo de manifestação. Eu, pessoalmente, não gosto, mas o livro existe e tem que constar na biblioteca”, ressalta Job.

A posição também é defendida pela Associação Rio-Grandense de Bibliotecários (ARB), que emitiu uma nota contrária a qualquer tentativa de interferência em bibliotecas. “Considerando o cunho liberal e humanista da profissão, (a associação) manifesta-se de maneira contrária à ingerência de qualquer ente político no desenvolvimento de coleções das bibliotecas públicas. Ainda, a administração e direção de bibliotecas é de responsabilidade do bibliotecário, conforme Lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962″, diz o comunicado.

A ARB também aponta que “a retirada, o banimento e a censura a obras específicas, ou a temáticas polêmicas, devem ser encarados com seriedade por qualquer sociedade que se apresente como democrática e essas atitudes interferem e impossibilitam justamente o debate e a cidadania”.

Situação em outras cidades

Vereadores de Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Erechim também fizeram moções contra a presença do livro da Queermuseu nas bibliotecas. Em Bento Gonçalves, na Serra, a obra foi retirada da Biblioteca Municipal e está retida na Prefeitura. De acordo com o Secretário Municipal da Cultura do município, Evandro Soares, um vereador conversou com o prefeito e pediu que o livro fosse disponibilizado com cuidado no local. Com isso, a administração está avaliando qual é a melhor forma de colocar a obra à disposição do público e, a princípio, será feita uma classificação indicativa. Soares garantiu, no entanto, que o livro da exposição vai voltar para a biblioteca.

Já em Caxias do Sul, também na Serra, o livro está em processo de catalogação. Das cidades onde os vereadores encaminharam moções contra o catálogo da Queermuseu, o único local onde a obra já está disponível para empréstimo é Erechim, no Norte do Estado. Conforme o bibliotecário do espaço, não foi solicitada a retirada da obra do acervo e, inclusive, o livro está emprestado para um leitor.

Contexto

Quando ocorrem atividades patrocinadas pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC), os livros são distribuídos gratuitamente em todas as bibliotecas públicas gaúchas. A Queermuseu estava em cartaz no Santander Cultural, em Porto Alegre, e foi encerrada em setembro – um mês antes data definida – após protestos de pessoas que acusaram a exposição de fazer apologia à pedofilia e zoofilia.

Fonte:Daiane Vivatti/Rádio Guaíba