body
11 agosto 2017 - 16:23

Exclusivo: pela primeira vez em dez anos, efetivo da BM fica abaixo de 20 mil PMs

Em um ano, quadro de policiais caiu em mais de três mil servidores

Ano após ano, o efetivo da Brigada Militar vêm encolhendo, enquanto a população do Rio Grande do Sul cresce. Hoje, a corporação atua com a menor tropa dos últimos dez anos no Rio Grande do Sul – 18.522 homens/mulheres, sendo 16.093 na PM e outros 2.429 no Corpo de Bombeiros, em dados de início de agosto. Em contrapartida, o Estado soma 11,3 milhões habitantes, conforme números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo dados obtidos pela reportagem da Rádio Guaíba via Lei de Acesso à Informação (LAI), o efetivo que atua exclusivamente no policiamento ostensivo, em 2017, é menor ainda, chegando a 14.082 PMs. Os demais 2.011 exercem funções de caráter administrativo. Além disso, 849 PMs foram para reserva desde início do ano, agravando a crise nos mais de 40 batalhões espalhados pelo Rio Grande do Sul. Em 2016, o efetivo era composto por 21.269 PMs.

O levantamento mostra que, pela primeira vez nos últimos dez anos, a tropa da Brigada Militar ficou abaixo de 20 mil servidores. Entre 2006 e 2016, o quadro de policiais oscilou entre 23 mil e 21 mil. A própria corporação já admitiu que o número ideal é superior a 37 mil PMs.

Contudo, a Brigada Militar garante que todas as cidades do Rio Grande do Sul dispõem de ao menos um brigadiano, rechaçando a tese de ausência de PMs em determinados locais.

Conforme dados da LAI, frequentemente os policiais de setores administrativos são empregados no policiamento ostensivo, de acordo com a demanda de eventos e operações planejadas pelo Comando da Brigada Militar.

Entidade repudia baixo efetivo e fala que BM chegou ao “fundo do poço”

Consultada pela reportagem, a Associação dos Cabos e Soldados da Brigada Militar lamenta que o Comando da BM e o Palácio Piratini não estejam tomando as medidas cabíveis para amenizar o cenário. Conforme o vice-presidente da Abamf, Solis Antônio Paim, a corporação vem se desdobrando diariamente para honrar com a segurança da população gaúcha. “No fundo do poço a gente já chegou há bastante tempo. Na realidade, tem que ter ‘sangue na veia’ porque senão, não existe a possibilidade de dar uma prestação de serviço a contento”, considera.

Além disso, Paim adverte que o efetivo deve ficar ainda mais enxuto nos próximos anos, em função da política de austeridade adotada pelo governo de José Ivo Sartori (PMDB). “O Estado não faz a reposição de efetivo e obviamente as aposentadorias vêm ocorrendo, mas o Estado não repõe. Obviamente a tendência é só diminuir a tropa”, lamenta.

O Comando-Geral da Brigada Militar foi procurado pela reportagem, mas ainda não se manifestou. Em início de julho, o governo anunciou que lança, ainda em agosto, os editais de concursos públicos com 4,1 mil vagas para soldados e 200 para oficiais da Brigada Militar, além de 450 vagas para soldados e 50 para oficiais do Corpo de Bombeiros, além de um terceiro para a Polícia Civil.

Confira o efetivo da BM nos últimos dez anos:

Ano 2006 – Efetivo: 23.158

Ano 2007 – Efetivo: 22.379

Ano 2008 – Efetivo: 21.503

Ano 2009 – Efetivo: 23.975

Ano 2010 – Efetivo: 23.068

Ano 2011 – Efetivo: 22.317

Ano 2012 – Efetivo: 24.144

Ano 2013 – Efetivo: 23.168

Ano 2014 – Efetivo: 23.744

Ano 2015 – Efetivo: 21.461

Ano 2016 – Efetivo: 21.269

Ano 2017 (até o início de agosto) – Efetivo: 18.522

Fonte:Lucas Rivas/Rádio Guaíba