body
19 maio 2017 - 13:30

Delação da JBS: em meio a impeachment, Temer pediu R$ 300 mil de propina para marketing

Joesley disse ter operado quase R$ 8 milhões em propina com o presidente

O jornal O Estado de S.Paulo e o site O Antagonista divulgaram, nesta sexta-feira, um dos anexos da delação premiada de Joesley Batista, dono da JBS, que implica o presidente Michel Temer (PMDB). No Anexo 9 da delação, o dono da JBS fala que recebeu pedido de R$ 300 mil de propina por parte de Temer. De acordo com ele, o presidente alegou que o montante era necessário para investimentos em campanha de marketing durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Temer desejava os recursos, segundo Joesley, para se defender através de marketing digital das críticas que sofreu durante o impeachment da ex-presidente.

Ainda conforme a delação, Joesley Batista prometeu o pagamento ao então vice-presidente Temer que orientou a transferência da propina através de Elsinho, marqueteiro de confiança do peemedebista.

trezentos mil

Na delação, Joesley defende que a relação com Temer vem desde 2010. Segundo o empresário, a JBS operou R$ 7,9 milhões em propina com Temer entre 2010 e 2016. O primeiro pagamento de propina, segundo Joesley, ocorreu em 2010, quando Temer pediu supostos R$ 3,2 milhões em propina para a campanha da chapa que compunha com Dilma pela Presidência. Parte, segundo Joesley, foi paga como doação oficial e outra para empresas de comunicação, por meio de notas fiscais. O delator relata que, desde então, houve ao menos 20 encontros com o presidente.

Fonte:Rádio Guaíba