11 janeiro 2017 - 15:59

Com salários atrasados, funcionários da Santa Casa de Rio Grande decidem entrar em greve

Seguem paralisados trabalhadores de casas de saúde de Cacequi, São Francisco de Assis, Lagoa Vermelha e Santana do Livramento

Funcionários do Hospital Santa Casa de Rio Grande, no Sul do Estado, decidiram, em assembleia nesta quarta-feira, entrar em greve por tempo indeterminado. Com isso, o Rio Grande do Sul volta a registrar cinco hospitais filantrópicos com paralisação de funcionários devido a atrasos de pagamento.

Conforme o presidente da Federação dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde do Estado (Fessers), Milton Kempfer, os salários de dezembro, as férias e o 13º dos funcionários ainda não foram pagos na Santa Casa de Rio Grande. Já haviam entrado em greve funcionários do Instituto de Saúde e Educação Vida (Isev), em Cacequi; do Hospital Santo Antônio, em São Francisco de Assis; do hospital São Paulo, em Lagoa Vermelha; e da Santa Casa de Santana do Livramento, o caso mais grave, onde a paralisação já dura 43 dias por conta de atrasos de novembro e de dezembro, do 13º e de nove meses de vale-alimentação.

Kempfer explica que, nos hospitais onde há greve, as cirurgias e consultas eletivas não ocorrem. Segue mantido apenas o atendimento a casos de urgência e emergência. A falta de repasses do governo estadual agravou a situação dos hospitais, que respondem pelo atendimento de 70% dos pacientes do SUS no Rio Grande do Sul.

Pelo menos oito liminares foram concedidas pela Justiça garantindo os repasses em dia em 2016, mas o Estado descumpriu todas elas. Procurada, a Secretaria Estadual de Saúde admite que não há cronograma de pagamento, o que só vai se definir depois que a SES tiver a liberação do orçamento de 2017. O presidente da Fessers, no entanto, disse que não acreditar no motivo alegado. Ele entende que o governo teve aumento na arrecadação e que deve, agora, fazer os repasses.

Já em Cruz Alta, funcionários do Hospital São Vicente de Paulo decidiram, em assembleia na noite de hoje, manter estado de greve até a próxima sexta-feira. Se o pagamento dos vencimentos não for efetuado, mais uma assembleia ocorre no início da próxima semana.

Durante a manhã, funcionários do Hospital de Caridade de Canguçu resolveram encerrar a paralisação, que durou uma semana.

Fonte: Bibiana Dihl | Rádio Guaíba