17 fevereiro 2017 - 15:28

Captura de foragidos no Estado é reduzida a menos da metade em 2016

Polícia garante que motivo é a qualificação das ações de recaptura, com foco em bandidos considerados violentos

O total de foragidos recapturados pela Polícia Civil teve uma queda de 55% no ano passado na comparação com 2015. Os dados da Secretaria Estadual da Segurança mostram que 1.999 fugitivos foram capturados em 2016 contra a prisão de 4.376 criminosos que escaparam no ano anterior. O levantamento engloba todos os tipos de cumprimento de pena.

A Delegacia de Capturas do Departamento Estadual de Investigação Criminal (DEIC) registrou uma queda de 64% na busca por foragidos. Se em 2015, os agentes policiais recapturaram 1.006 bandidos, no ano passado, a taxa caiu para 366 detenções de fugitivos. Conforme o chefe do DEIC, Rodrigo Bozzetto, os números são resultado da mudança de foco nas buscas.

O delegado diz que os esforços foram concentrados na captura de bandidos relacionados a crimes violentos como homicídio, latrocínio, roubo e estupro. “Fizemos uma mudança no foco e deixamos de buscar homens com mandado de prisão por pensão alimentícia. No ano passado, pedi essa modificação qualitativa e, dessa forma, os agentes policiais estão buscando foragidos violentos e chefes de quadrilhas de roubo a bancos e facções criminosas”, sustenta.

Já o número de fugas teve redução no Estado. Em todo o ano de 2015, 4.757 detentos escaparam do sistema prisional. No ano passado, foram 4.419 foragidos registrados pela Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). Os dados englobam o sistema fechado, aberto e semiaberto.

Segundo o diretor do Departamento de Segurança e Execução Penal da Susepe, Ângelo Carneiro, os critérios mais rigorosos para a progressão de regime explicam a diminuição do número de fugas porque os apenados ficam mais tempo no sistema fechado. “Os requisitos estão mais criteriosos. Por isso, chegamos à conclusão de que quando os presos progridem de regime fechado, ele realmente quer cumprir a prisão no aberto e obter a liberdade. Há tempos atrás, o camarada que chegava no semiaberto estava na rua (foragido) no outro dia. Isso não acontece mais dessa forma”.

Por outro lado, houve aumento no número de fuga de bandidos do sistema fechado. Em 2016, 166 criminosos escaparam de presídios enquanto 76 bandidos conseguiram escapar de penitenciárias no ano anterior.

Conforme Ângelo, as fugas se concentram em cadeias do interior do Estado. No ano passado, o problema foi mais grave em Passo Fundo e Carazinho. Já neste ano, oito detentos tentaram escapar do Presídio Estadual de Passo Fundo no mês de janeiro, mas agentes penitenciários e a Brigada Militar frustraram a fuga. Em Sarandi, seis fugiram da cadeia nesta sexta-feira (17).

O diretor explica que os casos foram mais elevados porque a Susepe enfrenta um déficit de 400 agentes penitenciários. Um concurso para a contratação de 700 servidores foi autorizado no mês passado.

Fonte: Samantha Klein|Rádio Guaíba